https://www.bensculturais.com/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/959143Cabecalho10.jpglink
https://www.bensculturais.com/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/937150Cabecalho1.jpglink
https://www.bensculturais.com/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/501694Cabecalho12.jpglink

INVENIRE: Revista de Bens Culturais da Igreja

Investigação, Obras em destaque, Portfolio, Perfil, Projectos, Recensões, Livros

Inventário Online

Motor de busca para pesquisa conjunta dos inventários de Bens Culturais da Igreja disponíveis online, com sistema In Web

Portal Cesareia

CESAREIA: conheça o portal e catálogo colectivo das bibliotecas eclesiais portuguesas, informação sobre as bibliotecas aderentes, horários, condições de acesso e notícias

Info: O seu browser não aceita cookies. Para colocar produtos no seu carrinho e compra-los você precisa ativar cookies.


OS ESPAÇOS LITÚRGICOS DOS PRIMEIROS CRISTÃOS

Preço por unidade (unidade): € 10,00 (Incluindo 6 % IVA)

Pedir informações sobre este produto

OS ESPAÇOS LITÚRGICOS DOS PRIMEIROS CRISTÃOS. Fontes literárias dos primeiros quatro séculos.

Autor: Isidro Pereira lamelas.

Prefácio: D. José Manuel Garcia Cordeiro.
Fátima: Secretariado Nacional de Liturgia, 2021.
Desc. Física: 320 p.; 21 cm.
ISBN 978-989-8877-88-8

 

«Nos dois primeiros séculos, não existiam propriamente lugares fixos para a ação litúrgica. Por exemplo, o Batismo era realizado onde houvesse água. Para ouvir a Palavra de Deus e celebrar a ceia do Senhor serviam as salas amplas de algumas casas. Assim surgem as “domus ecclesiae” que são adaptadas às necessidades dos encontros dos cristãos. Nestas começa um processo de ritualização e sacralização que leva a reservar determinada sala, mesa ou cálice usados por um apóstolo ou outra testemunha da fé. As “domus ecclesiae” vão-se estruturando respondendo também às várias necessidades da comunidade: litúrgico-celebrativa, de acolhimento, caritativo, residência do responsável da comunidade. Os vários lugares são articulados entre si e o mais importante está reservado para a ceia do Senhor.

À medida que a Liturgia se vai estruturando, principalmente a partir do século III quando as comunidades crescem enormemente, são necessários espaços maiores: a aula da celebração ganha importância e surgem as basílicas. O termo “ecclesia” é então usado para indicar o lugar da reunião dos fiéis. Com Constantino, a imagem exterior do lugar do culto cristão começa a espelhar a grandeza da sua verdade interior. Passa-se assim do facto celebrativo ao lugar da celebração: o enriquecimento do lugar, e a sua decoração que se faz mistagogia, pretendem que ele seja digno do Rei divino que aí mora – a “domus Dei”, “a domus Regis” ou simplesmente basílica. A sua dedicação constitui uma festa do povo de Deus, uma manifestação esplêndida da igreja saída da perseguição.

As basílicas – sobretudo aquelas com plantas redondas ou octogonais que assim queriam trazer as formas perfeitas da eternidade à terra, e aquelas decoradas com mosaicos que mostram o Cristo Pantocrator e a corte celeste – quiseram reforçar a dimensão transcendental do espaço litúrgico.

No século IV os cristãos começaram a construir monumentos sobre o túmulo dos seus heróis da fé. As relíquias dos santos metiam-se sob o altar e o altar tornava-se o túmulo do mártir (“altar da confissão”).

Deus para Se revelar e comunicar usa sinais sensíveis. Por isso, a liturgia é feita também de sinais sensíveis. A presença real e viva de Jesus na Liturgia deve ser percebida e sentida, como que de maneira palpável. O próprio espaço celebrativo deve comunicar esta presença.

Determinante é a ordenação do espaço sagrado em função do trinómio: altar – ambão – sede. À volta destes três elementos congrega-se a assembleia: uma comunidade de escuta da Palavra de Deus, uma comunidade orante, e uma comunidade que vive dos sacramentos. A igreja é, pois, assim a casa da Igreja, isto é, morada da comunidade convocada.

A publicação de algumas fontes bíblicas, patrísticas, magisteriais, autores eclesiásticos e outros textos, resultado da reconhecida investigação do Padre Isidro Lamelas, oferece em língua portuguesa a literatura inestimável dos primordiais quatro séculos da história da Igreja para o estudo da arquitetura e das artes para a Liturgia.» (D. José Cordeiro, no Prefácio)







Publicações Relacionadas

€ 9,00
€ 7,20
Poupa: 20.00%


€ 11,00
€ 8,80
Poupa: 20.00%


€ 8,00


€ 8,00




© Copyright 2012, Secretariado Nacional para os Bens Culturais da Igreja. Todos os direitos reservados